• Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon
0

Entendendo as amizades planetárias

28.11.2017

Tal como os deuses frequentemente interagem uns com os outros, os conceitos planetários se inter-relacionam. Assim, as amizades entre os planetas foram estudadas e registradas em diversos livros ocultistas conceituados, como é o caso do Formulário da Alta Magia, de Pierre Vincent Piobb.

 

Conforme a tradição, existem 7 Deuses Celestes, também chamados de Espíritos Olímpicos, que governam cada um dos 7 planetas conhecidos na Antiguidade. E estes espíritos foram relacionados ao longo da história com diversas deidades, de modo a sintetizar conceitos referentes a diferentes Níveis de Consciência que todos os seres necessitam passar no decorrer da evolução espiritual. Sabe aquele ditado que diz que não nascemos com um manual de instruções? Pois é, de acordo com a Magia, nós nascemos sim com um manual que nos auxilia em nosso crescimento, e este manual está escrito nas estrelas! 

 

Mas, como este assunto é tema bastante extenso, fizemos um post exclusivo sobre correspondências planetárias e Mitologia o qual recomendamos a leitura. E, por enquanto, vamos nos ater às amizades entre os planetas e seus Espíritos Olímpicos.

 

Para acessar esse conteúdo, clique em: Correspondências planetárias através da mitologia.

 

Bom, analisando os registros mágicos a respeito das amizades planetárias, podemos compreender que as amizades se referem basicamente à alegoria das coisas que os deuses celestes têm em comum entre si, ou que potencializam os seus aspectos originais. Portanto, uma amizade não é necessariamente uma coisa positiva nem tampouco recíproca, apenas indica como os desafios de cada Nível de Consciência interagem entre si. A compreensão destas interações são a chave para planejar bons feitiços e rituais, pois é indispensável nas práticas mágicas que as energias estejam em harmonia e concordância não só com a sua intenção, mas também com as Leis supremas do Universo. 

 

As amizades de Saturno
 

 

A começar por um ótimo exemplo, Saturno (Cronos), o deus das sombras, está em amizade com Marte (Ares), o deus da guerra. E esta é sua única amizade, visto que o seu temperamento o colocou em inimizade com todos os outros deuses planetários (Cronos ficou conhecido por armar um golpe contra seus pais e devorar os seus próprios filhos para conseguir poder, temor e soberania sobre todos os deuses).

 

Porém é importante observar que a impetuosidade e a violência de Marte estimulam as ações fatalistas de Saturno, portanto esta é uma combinação que deve ser evitada nas práticas mágicas (provoca a ruína). Por outro lado, as características destrutivas de Saturno são suavizadas pelas influências ativas dos outros planetas com os quais ele não tem amizade, como Mercúrio (Hermes), que lhe estimula a inteligência, e Júpiter (Zeus), que traz a sabedoria que vem com a idade e o amadurecimento. Desse modo, as privações de Saturno podem ser canalizadas de forma inteligente e madura, trazendo bons resultados.
 

As amizades de Marte
 

 

Já o deus da guerra Marte (Ares) está em amizade com a deusa do amor Vênus (Afrodite) e em inimizade com todos os outros planetas, até mesmo com Saturno. A força do amor de Vênus realmente atrai o vigor apaixonado de Marte, servindo para feitiços de vigor e atração. Mas, a lógica calculista de Saturno (Cronos), a justiça equilibrada de Júpiter (Zeus), a generosidade do Sol (Apolo), a adaptabilidade de Mercúrio (Hermes) e a preservação da Lua (Ártemis) não combinam em nada com esse ímpeto violento.

 

Contudo, ressalto que planetas inimigos podem ser uma boa combinação mágica, e neste caso Marte associado ao Sol (Apolo) é ótimo para quando se deseja trabalhar com a luta pela vida, pois o heroico deus da vitalidade pode direcionar a energia competitiva de Marte para uma causa boa; e associado a Mercúrio (Hermes), direciona a força de uma forma mais equilibrada, justa e inteligente (bom também para o comércio), pois o deus da intelectualidade e inteligência não ama a violência e sempre encontra a forma mais produtiva para o direcionamento das energias.
 

As amizades do Sol
 

 

Sol (Apolo) e Júpiter (Zeus) estão em amizade, visto que a vitalidade e majestosidade da radiação solar, quando somadas à bondade e justiça do deus supremo, resultam na pureza da honra. E o mesmo se aplica para Sol e Vênus (Afrodite), pois um tem a força da vida e o outro, a do amor. Em relação a Marte (Ares), mesmo que este não seja seu amigo, o Sol é amigo dele, pois o deus da guerra pode contribuir através do estímulo para lutar, conquistar e obter o sucesso tão digno do deus solar.

 

Por outro lado, Saturno (Cronos) é seu inimigo, pois por ser um deus frio e fatalista, se opõe e prejudica o brilho energético e esperançoso do Sol. Em relação à Lua (Ártemis) e a Mercúrio (Hermes), o Sol se encontra em uma posição neutra e cabe ao mago analisar em quais aspectos esses planetas podem contribuir na prática mágica que se deseja realizar com a influência do Sol.
 

As amizades de Vênus
 

 

As amizades de Vênus (Afrodite), a deusa da beleza e do amor, são: a Lua (Ártemis), que por seu poder fecundo pode favorecer o casamento e o amor; e o brilhante deus Sol (Apolo), cujos fluidos vitais enriquecem as energias venusianas. Mas, apesar do amor de Marte (Ares) por Vênus, esta é inimiga dele, já que Marte é impulsivo e destrutivo demais para a deusa, que prefere ficar longe de lutas. Mas, o seu principal inimigo é Saturno (Cronos), pois seu ímpeto insensível e egocêntrico reprime a atração e a conquista da deusa da beleza. Já Mercúrio (Hermes), por sua versatilidade, se encontra em posição neutra, assim como Júpiter (Zeus), pois este é justo e metódico, mas não representa uma influência negativa para Vênus.  
 

As amizades de Júpiter
 

 

Júpiter (Zeus) está em amizade com o Sol (Apolo), em vista do sucesso que é atraído quando a energia vital do Sol é acrescentada ao poder supremo de Júpiter, o deus dos deuses. A Lua (Ártemis) também é uma boa amizade para Júpiter, pois através de sua energia de crescimento, ela atrai a prosperidade para o planeta. Júpiter e a deusa do amor Vênus (Afrodite) têm um amizade bastante fértil, mas em relação a Mercúrio (Hermes) existe claramente uma inimizade, pois o deus da superioridade intelectual desperta em Júpiter o crescimento do ego e o desprezo pelos outros. O deus da guerra Marte (Apolo) e Saturno (Cronos), o senhor das sombras, são neutros para Júpiter.
 

As amizades de Mercúrio
 

 

O intelectual Mercúrio (Hermes) se adapta à maioria dos planetas, principalmente a Saturno (Cronos), que por ser o mais antigo dos deuses, ressalta nele o poder da experiência e da sabedoria. Mas, é inimigo de Júpiter (Zeus), pela mesma razão da inimizade de Júpiter com Mercúrio: a influência do deus supremo faz crescer em Mercúrio o sentimento de superioridade. Outro ponto a ressaltar é que a Lua (Ártemis), por ser mais emotiva e ligada às raízes, pode ter aspectos muito diferentes de Mercúrio, que é mais racional e desapegado, portanto esta combinação pode a princípio trazer um pouco de confusão, mas pode ser útil para equilibrar a razão e a emoção.

 

As amizades da Lua
 

 

Já a Lua (Ártemis), deusa da Natureza e das águas, se adapta ao seu irmão Sol (Apolo) e a Mercúrio (Hermes) de forma neutra. As suas amizades mais íntimas são com o majestoso Júpiter (Zeus) , para estimular o crescimento das riquezas; e com Vênus (Afrodite), para aumentar o amor e a beleza. Porém é necessário ter cuidado com esta última combinação, pois Vênus e Lua podem ter uma amizade bastante caprichosa, às vezes se ajudam e outras se atrapalham. Os seus inimigos são o frio deus Saturno (Cronos), por despertar na Lua o sentimento de indiferença e Marte (Ares), pois o deus da guerra potencializa na Lua a inconstância, as ações impulsivas e sem foco.

 

Considerações finais


A compreensão de cada conceito planetário, seus deuses, seus níveis de consciência e de suas amizades tem um grande valor no preparo das práticas mágicas, pois estimula o autoconhecimento e dá força a nossa intenção. A escolha dos planetas a utilizar é, portanto, feita analisando as influências que se deseja atrair e procurando em qual nível de consciência planetária estas influências se encontram.


Desse modo, podemos trabalhar no desenvolvimento de rituais e feitiços com segurança daquilo que queremos ativar! E a forma de fazer isso é através das correspondências físicas destes conceitos, usando por exemplo cores, aromas, metais e dias da semana específicos para ativar as energias de cada planeta.  


Se você quiser aprender a relação de todas estas correspondências, não perca: O Guia básico das correspondências planetárias

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

 POSTS RELACIONADOS

Please reload

SEGUE A GENTE NO FACEBOOK

ÚLTIMOS POSTS

Please reload